Benefícios da R-UV

Introdução

A exposição à radiação ultravioleta durante as atividades cotidianas ou por indicação médica, pode trazer benefícios ao nosso corpo como a produção de vitamina D e o tratamento de algumas doenças. Entretanto, se essa exposição passar a ser excessiva, certamente predominarão os efeitos nocivos e não os benefícios esperados.

Vitamina D

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), uma breve exposição à radiação ultravioleta é essencial ao nosso corpo, pois estimula a produção de vitamina D.

A vitamina D é uma vitamina extremamente importante para o funcionamento do nosso corpo, que tem como sua principal fonte de obtenção a conversão de substâncias precursoras (7-dehidrocolesterol), induzida pela radiação ultravioleta, ao nível da pele. Poucos alimentos são considerados fontes de vitamina D, mas entre eles encontramos a gema do ovo, peixes como a cavala, o salmão e o arenque, fígado e manteiga.

Metabolismo da vitamina. Fonte: Programa Sol Amigo

Em vários países, diversos alimentos como o leite, manteiga, pão e cereais são enriquecidos com vitamina D, para minimizar os riscos de sua deficiência na população.

A vitamina D possui várias funções importantes, dentre elas:

  • Manter os níveis de cálcio e fósforo no sangue normais, através do aumento ou diminuição da absorção desses minerais no intestino delgado;
     
  • Regular o metabolismo ósseo e a deposição de cálcio nos ossos e dentes;
     
  • Atuar no funcionamento do sistema imunológico (sistema de defesa do nosso corpo) pela promoção da fagocitose, atividade antitumoral e função imunomoduladora.
     

A deficiência de vitamina D pode causar ou piorar a osteoporose em adultos e o raquitismo em crianças.

Osteoporose-Mayo-Clinic

Osteoporose. Fonte: Mayo Clinic

Criança com raquitismo. Fonte: Fundacíon MAPFRE

Criança com raquitismo. Fonte: Fundacíon MAPFRE

Nos países próximos ao equador, onde os níveis de radiação ultravioleta são elevados, mesmo uma exposição por um período de tempo menor é suficiente para manter elevados os níveis de vitamina D.

Não há dúvidas de que a exposição a pequenas quantidades de radiação ultravioleta é benéfica à saúde. Entretanto, 5 a 10 minutos (cerca de 15 minutos para as pessoas com pele negra) de exposição casual nas mãos, rosto e braços, antes das 10 e após as 15 horas, 2 a 3 vezes por semana durante os meses de verão é suficiente para manter os níveis de vitamina D normais.


Mesmo durante o uso do protetor solar, uma porcentagem da radiação ultravioleta atinge a nossa pele. O uso regular de protetor solar quando o índice ultravioleta é maior ou igual a 3 (moderado) não diminui significativamente os níveis de vitamina D com o tempo.

Fonte: OMS, FDA – U.S. Food and Drug  Administration, Programa SunSmart – The Cancer Council Victória.

Uso médico

A radiação ultravioleta tem sido utilizada com sucesso no tratamento de diversas doenças, incluindo osteomalácia, vitiligo, psoríase e lúpus vulgaris.

Osteomalácia. Fonte: www.visualphotos.com

Osteomalácia. Fonte: www.visualphotos.com

vitiligo-sciencephoto-Library-290x290

Vitiligo. Fonte: Sciencephoto Library

Psoríase-01-wikipedia

Psoríase. Fonte: Wikipedia

Lupus vulgaris. Fonte: Associazione Italiana Amici de Raoul Follereau - AIFO

Lupus vulgaris. Fonte: Associazione Italiana Amici de Raoul Follereau – AIFO

Estudos têm demonstrado que esta forma de exposição à radiação ultravioleta, também conhecida como fototerapia, pode ser útil nos pacientes com doença severa ou nos casos que não respondem ao tratamento habitual.

A fototerapia envolve uma exposição regular do paciente a radiação ultravioleta, cuidadosamente monitorada por um médico. Em alguns casos, para efetividade do tratamento, é necessário a utilização de drogas ou outros meios que aumentem a sensibilidade do paciente a este tipo de radiação.

Da mesma forma que a radiação ultravioleta emitida pelo Sol, o uso terapêutico deste tipo de radiação não elimina os seus efeitos negativos à saúde, sendo importante uma avaliação cuidadosa dos riscos e benefícios desta terapia para o paciente.

Fonte: OMS, FDA – U.S. Food and Drug  Administration